quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Fazendo nossa parte: Separando o lixo seco do lixo úmido.

Na postagem anterior falamos sobre os tipos de resíduos, sendo eles: domiciliar, comercial, hospitalar, industrial, público e especial. Agora que já sabemos os tipos vemos mais claramente como podemos ajudar a natureza fazendo nossa parte, porque um pouco desses resíduos dependo de cada um de nos para que haja uma destinação adequada, sendo que o melhor exemplo é o lixo domiciliar.

Segundo uma pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística) a população brasileira hoje é em média 193 milhões, imagine se no dia cada um produzir 1 quilo de lixo, 193 milhões de toneladas de lixo só em 1 dia. Imagine então a dificuldade de separar o que pode ou não ser reciclado?

E nesse ponto que quero chegar, todos podemos ajudar nessa difícil tarefa, basta separarmos o lixo seco do lixo úmido. Mas qual a diferença? Não vai tido para o lixo?

Existe uma grade diferença nos tipos de lixo. O lixo úmido é composto de matéria orgânico, como cascas de frutas, alimentos, ou seja, tudo que vem dos seres vivos. Já os lixos secos são compostos de matéria orgânica como o papel e inorgânicas como metais, plástico e vidros. Como podemos ver na figura:

E abaixo segue uma figura de lixo úmido:



Quando vemos exemplos fica mais fácil de diferenciar, em nossa casa so precisamos de colocar mais uma lixeira, sendo uma para lixo úmido e outra para seco.

Atenção!

Existem também os materiais não recicláveis como papel higiênico, papel plastificado, papel de fax ou carbono, vidros planos, cerâmicas ou lâmpadas.

Pilhas e baterias jamais devem ser descartadas em lixo domestico por que tem em sua composição metais pesados que contaminam o solo, nesse caso você deve procurar em sua cidade onde existe local adequado para o descarte.

Então atenção para as dicas e mãos a obra!


Por: Felipe Marcio


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário